Frankie: – This is not my recipe. And yes, my vagina can tell.
Brianna: – Ok. Adam, can you please give us a second?
Adam: – Oh, absolutely not. No. (he pick up his phone and start to filming)
Brianna: – What are you doing?
Adam: – Oh, I have a few friends that don’t believe Frankie’s real. So, just go on.
Frankie give a little smile to the camera (Grace and Frankie, 02×08).

Falar sobre idade, sobre a velhice que me aguarda e me espreita, realmente me apavora. Sempre apavorou. Apesar disso, sempre imaginei que esse momento vindouro seria delicioso pela liberdade que a terceira idade pode representar, pois, nesse período da vida, as pessoas deveriam se permitir mais, ousar mais, aproveitar mais… Entretanto, mesmo acreditando nisso, sempre tive uma certa ressalva, porque eu sei que, quando estamos nos 70 anos, a energia, a saúde, o fôlego etc., normalmente, não é o mesmo de agora, no pré-trinta.

Por conta desse meu receio (e medo) dos tempos que virão, eu sempre (sempre mesmo) fugi da série Grace and Frankie, quando via a sugestão na minha página inicial da Netflix. Por quê? Porque sempre pensava: “terei que lidar com a vida idosa um dia, por que observar isso desde agora, não preciso, não quero, ah…certo?” Errado. Devo dizer que essa série maravilhosa prendeu minha atenção por dois dias inteirinhos (tempo necessário para assistir as duas temporadas disponíveis na plataforma), de tanto fascínio e deslumbre.

grace-and-frankie-netflix-12.jpg

Não, não é só Unbreakable ou Sense8 ou Master of none ou as infinitas séries produzidas pelo canal que merecem destaque. Gracie and Frankie também merece ! Talvez eu tenha me apaixonado muito rápido pela série, talvez eu tenha sentido uma certa afinidade, empatia, pelas personagens tão bem construídas, talvez eu esteja só sensível. Mas o lance é: assistam. 

grace-and-frankie-.

Ambientada em San Diego, a série tem como trama a vida de duas mulheres, Grace e Frankie, que se aturam pelo bem comum dos maridos, que são sócios em uma empresa de advogados (pessoas bem sucedidas). Grace e Robert têm duas filhas (uma casada e outra solteira – que é ótima, por sinal!), e Frankie e Sol, que também têm dois filhos adotados. Essa família toda cresceu junta, cresceu perto, cresceu unida. Foi aí que, durante um casamento – hétero normativo – de 40 anos, os maridos viveram uma romance escondido durante 20 anos. Isso se deu até o momento em que os dois se deram conta de que já estavam com 70 anos e nunca puderam viver o amor deles livremente. É quando eles resolvem se assumir como casal, para a família, pedem o divórcio, cancelam os cartões de crédito das mulheres, vão morar juntos e viver a vida deles. Entretanto é a partir desse nó que a trama se desenvolve, até porque, as duas senhoras deixadas, são idosas, aposentadas, sem lar (mudam-se, juntas, para a casa da praia), sem ocupação (no caso da Grace, por sempre ter vivido com o marido, ela nem se conhece, processo que começa após a sua aproximação com Frankie) e sozinhas.

Produzida por Marta Kauffman (de Friends) e Howard J. Morris, Gracie and Frankie conta com um grupo de atores excepcionalmente bom, sendo os veteranos: Lily Tomlin (76 anos), como Frankie, Sam Waterston (75 anos), como Sol, Martin Sheen (75 anos), como Robert e Jane Fonda (79 anos), como Grace. É uma delícia vê-los atuar. São atores extremamente talentosos, que se preparam muito para estarem nesta produção, por exemplo, Fonda fez curso de atuação, mesmo com todas as suas experiências, para se sentir segura para interpretar o papel. Além disso, a afinidade dos quatro explode na tela e nos contagia, faz com que possamos acreditar em uma amizade, uma vida, e, inclusive, na possibilidade da existência de várias oportunidades/novidades na vida, independente do tempo.

A amizade de Kauffman e Fonda existe desde 1980, quando ambas atuaram no filme “9 to 5“. Na série, como eu já disse, as personagens das duas atrizes não se suportam, principalmente pela discrepância entre o estilo de vida das duas.

Frankie é uma senhora hippie, artista, que fuma maconha, que teve um casamento cheio de amor, pratica yoga, desconhece o uso da tecnologia, cheia das ideias revolucionárias e das frases de efeito. Já Grace, é o contrário. Ela foi uma mulher bem sucedida na carreira profissional, construiu uma empresa (que, depois de sua aposentadoria, Brienne – uma das filhas – gerencia), teve um casamento um tanto infeliz, criou umas filhas sem muito amor (tem uma cena na qual Frankie acusa a mulher de não ser capaz de amar incondicionalmente), faz várias dietas, é viciada em martíni, seco e com duas azeitonas.

920x920

Mesmo com todos esses desencontros, Grace e Frankie dão um show de maravilhosidade. Enquanto buscam seus lugares no mundo, as personagens transam, visitam amigos de longa data, tomam porre para esquecer os problemas, fazem canal no YouTube, fumam maconha e bebem chá de procedência questionável, têm frio na barriga em encontros com novos paqueras, cozinham seus próprios frangos com batatas, tem suas discussões, seus momentos de pura amizade e companheirismo, fazem planos, têm ideias (como um lubrificante orgânico para as mulheres que ficam “secas” depois da menopausa e um vibrador para as mulheres que sofrem de artrite!) e, inclusive, saem pra balada para comemorar a noite do “sim”.

Essas ideias apresentadas pelas protagonistas servem para discussão sobre como as pessoas idosas são tratadas por nós atualmente, isto é, são vistas como incomodas, antiquadas, “caretas” etc., o que pode ser um engano, pois, embora haja limites, problemas (Robert sofre um ataque cardíaco, Grace quase quebra o quadril) e dificuldades (não saber usar o notebook, por exemplo), eles são sim, pessoas interessantes e que têm muita coisa a oferecer, desde que a sociedade saiba como tratá-las.

grace-and-frankiejane-fonda-ryan-gosling-chair-grace-frankie-set-080714-1-640x427

Além do mais, a comédia da produção é finíssima, compensa pelas vááárias risadas que ela garante. A relação pai x filhos, filhos x mãe, ex-marido x ex-mulher, meio-irmãos x meio-irmãs é ótima! Tira lágrimas dos olhinhos de quem sonha com uma família peculiar e cheia de amor.

Por fim, vale a pena destacar que, mesmo com todos os problemas que as duas mulheres enfrentaram para superar todas as dificuldades que surgiram (até mesmo a morte de algumas pessoas queridas, cujo acontecimento acarretou no pensamento: posso ser a próxima a morrer!), elas seguiram em frente. Deram um jeito. Aprenderam, adaptaram-se, respeitaram as decisões e escolhas do outro. Cresceram. Encontraram-se, riram, divertiram-se muito e ainda ficaram unidas. E penso que ver esse processo todo, ver a luta constante de mulheres fragilizadas, tanto pelas circunstâncias, como pelo tempo, é inspirador. É reconfortante. Dá esperanças…

grace-et-frankie-700x357

grace_s1_004_hA.JPG
 Sam Waterston and Martin Sheen in the Netflix Original Series “Grace and Frankie”. Photo by Melissa Moseley for Netflix.

Assista o trailer da segunda temporada:

Vale lembrar, por fim fim fim mesmo, que a série é um tanto fictícia mesmo. Até porque, em uma realidade como a nossa, dificilmente chegaremos à uma idade como a das protagonistas, com dinheiro, boa aposentadoria, morando à beira praia, com tempo para pensar em “que roupa vou usar pro encontro com meu próximo namorado?”. Mesmo assim, o mundo irreal é delicioso, chega a dar um certo conforto, um certo aconchego ao pensar que a vida futura pode, talvez, muito talvez mesmo, ser doce. Nem que seja você com a sua melhor amiga por perto (:

giphy

Próxima temporada foi confirmada para 2017. Agora é só aguardar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s