QUADRINHO: Clube Da Luta 2

Clube da Luta 2 é a continuação direta do livro Clube da Luta, de 1996, escrito por Chuck Palahniuk, que revisita seu maior sucesso com arte de Cameron Stewart. Ainda inédito no Brasil, foi publicado em 10 partes pela editora Dark Horse Comics, entre maio de 2015 e março de 2016.

fightclub2p3

Quando, em algum momento de 2014, Chuck Palahniuk anunciou a sequência de Clube da Luta, sua legião de fãs entrou em um misto de êxtase e desgosto. Principalmente pelo fato de que a sequência é (e se você ainda não sabe, segure-se à sua cadeira) UMA HISTÓRIA EM QUADRINHOS!

O autor explicou o motivo posteriormente em uma entrevista, dizendo que a razão (ou uma delas) para fazer da sequência uma graphic novel era que ele ao mesmo tempo queria escrever uma continuação para a história de Tyler Durden, mas não queria que houvessem comparações com Clube da Luta o livro ou Clube da Luta o filme.

Particularmente entendo que esse descontentamento se dá ao fato de que muitas pessoas ainda não olham para histórias em quadrinhos como uma meio a ser levado a sério. A minha primeira resenha aqui foi sobre A Playboy, de Chester Brown, e eu me lembro de ter visto uma entrevistadora de um talkshow canadense, apresentando-o em seu programa para uma conversa sobre a novela gráfica Pagando Por Sexo (Paying For It, a comic-strip memoir about being a john), tendo ainda que fazer aquela tão famosa introdução do tipo Falaremos sobre um quadrinho, mas esse quadrinho é para adultos também! Este quadrinho é coisa séria!, como se um quadrinho de humor e os para o público infantil não pudessem ser levados tão a sério ou postos na mesma mesa que um livro de Dostoievski.

fight-club-2-emergency-landing.jpg

Talvez esse tipo de ideia tenha causado o desgosto de tantos para com a continuação. Se você alimenta um mínimo de um pensamento deste tipo, talvez seja difícil para você apreciar a sequência de Chuck e Cameron, e talvez as comparações sejam maiores quanto à mídias do que quanto à conteúdo. Quanto à mídia, fiquei contente em ver coisas na obra que só existiriam ali. Certas particularidades de histórias em quadrinhos como um cartunesco passarinho sorridente alegrando um dos painéis ao que se chega ao final da história, que funciona dentro de um gibi, mas não seria o mesmo em um filme ou livro.

Cameron Stewart consegue criar seu próprio mundo de Clube da Luta, à parte do livro e filmes, caracterizando bem os personagens com um visual mais próximo ao que imaginaríamos lendo o primeiro livro e se distanciando das figuras dos atores do filme, ainda que pontualmente trazendo imagens que nos remetem ao Clube da Luta de David Fincher, como o casarão na Paper Street, visualmente igual ao do filme, ou no uso de cores (por Dave Stewart) em tons pastéis contrastando com as cores vibrantes nas roupas de Tyler, ou mesmo nas explosões causadas por este. E assim como no livro, onde imagens eram descritas e davam força às ideias narradas, o mesmo acontece no quadrinho, onde a arte dá lugar às descrições.

fight club 2 4

E insistindo em comparações ainda assim, em seu primeiro trabalho com quadrinhos, Palahniuk não perdeu as características de sua narrativa. Você vai encontrar a acidez de sempre tanto nos comentários de Tyler Durden quanto à (nossa) vida de Sebastian (Que é o novo nome inventado do personagem marcado como Jack no primeiro livro), como também nas imagens de cabeças explodindo e sangue por toda parte, entre outras menos óbvias. Clube da Luta foi e é, para o público, um conteúdo ideológico. Sua legião de fãs compra a ideia de Tyler, mesmo quando o protagonista percebe o absurdo de tudo aquilo e renuncia; ou mesmo em proporções diferentes. Nós aceitamos o Tyler como ícone, como nosso amigo imaginário compartilhado, porque ele conversa com cada um da mesma forma pessoal como conversa com o protagonista da história.

A história começa mostrando o que aconteceu com Jack e Marla. Casados, e com um filho, levam uma vida infeliz regada à remédios para adormecer o monstro escondido entre eles, o que afeta a criança e a aproxima de Tyler, sua herança hereditária ou maldição. Com isso como base, a história se desenrola em 10 edições que esmiúçam o imaginário Tyler Durden, como uma ideia, e uma ideia de muitos, e de destino incerto. E esse destino incerto é o final da história, onde esta se mostra ainda mais como um comentário particular do autor quanto à seu personagem mais notável.

Tudo isso porque alguns amigos imaginários nunca vão embora, quer você queria ou não. Então raspe a sua cabeça, prepare a sua mala com duas camisetas pretas, dois pares de calças pretas, um par de coturnos pretos, dois pares de meias pretas e um casaco preto pesado, e leia Clube da Luta 2. Sem se esquecer dos $300 para o seu próprio enterro, e de não falar sobre isso.

fclub2-3-pg-02

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s