Série: Lovesick/Scrotal Recall

Série: Lovesick/Scrotal Recall

the-best-comedy-show-youre-not-watching-is-hiding-behind-the-worst-title-on-netflix

Estes dias, terminei de ver a série Sherlock Holmes. Juro pra vocês que, dentro de mim, tem um turbilhão de coisas pra dizer sobre essa produção. Talvez seja por isso que, até agora, não consegui escrever sobre ela. Nessa onda de série britânica (com todo aquele sotaque lindo e humor delícia), assisti, ontem mesmo, uma série que estreou recentemente na Netflix, que se chama Lovesick.  Em 2014, essa série, que recebeu o nome, inicialmente de Scrotal Recall, foi exibida pela Channel 4. Como ela não atraiu muito público, consequentemente, ela seria cancelada pela emissora, se o nosso tão lindo site de streaming Netflix não tivesse se interessado por ela. Devido a esse interesse, a obra de Tom Edge foi exibida no portal e já tem previsão de estreia para a 2ª temporada. Eba!

Com apenas 6 episódios, de 20/24 minutos cada, é uma série para maratonar, ainda mais com a capacidade britânica de começar e terminar cada capítulo com uma boa coerência. Ela narra a história de Dylan Witter (Johnny Flynn), um jovenzinho de  e poucos anos, que é diagnosticado com clamídia, uma doença sexualmente transmissível.  A partir disso, ele começa a ligar e a se encontrar com antigas namoradinhas, para avisá-las sobre a doença. Desse modo, a série acontece em flashbacks, para mostrar o Dylan do presente e o Dylan de até anos atrás, retratando, assim, cada uma de seus relacionamentos, ao ponto do rapaz começar a repensar suas atitudes e a reavaliar sua vida.

serie-netflix-lovesick-resenha-scrotal-recall-anna

Para tanto, ele conta com dois melhores amigos: a maravilhosa Evie (Antonia Thomas, de Misfits) e o maravilhoso Luke (Daniel Ings). Luke é o contraste de Dylan. Enquanto o jovem loiro, que precisa de uma boa lavada de cabelo, é meigo, fofo, preocupado com os  seus relacionamentos, ao ponto de não conseguir lidar tão bem com o sexo casual, Luke é o típico lindo, que sabe que é lindo, que se aproveita de seus atributos físico, para conquistar as garotas, transar com elas e sumir antes que elas o conheçam o suficiente para saber que ele é vazio por dentro. Já Evie é o equilíbrio entre os dois. Ela os ajuda a entender as mulheres, ela atua como intermediária entre os problemas Dylan + Luke + mulheres e, assim, leva sua vida de fotografa, até encontrar um cara com quem vai se casar.

Cod36lEXYAAZUAflandscape-1469636852-scrotal-recall

lovesick-serie-netflix-critiqueUm dos pontos positivos é a dinâmica entre o trio principal. Mesmo o Johnny Flynn sendo um ator um tanto apático, ele coube perfeitamente no papel de Dylan, que é tão fofinho que chega a ser meio sem-gracinha. Quem brilha mesmo é Daniel Ings, como Luke. Esperto, super engraçado e completamente perturbado, Luke é o que dá vida à série e à vida de Dylan e Evie. Apesar da série ter seu brilho sozinha, as vezes parece que é o paquerador Luke que a segura.

Lovesick me pegou, de início (e claro), o fato de ser uma série de “comédia romântica” britânica. Depois disso, a ideia da doença do protagonista também é um ponto positivo, pois doenças venéreas ainda são um tabu em nossa sociedade, então, uma produção “romântica”, com a personagem doente, é um tanto audaciosa. Além disso, a série acerta no humor ácido, mas fácil; meio negro, mas sem ser pesado; e diferente de Love (outra série da Netflix que também tem a proposta de ser uma comédia romântica, mas que não produz um riso bobo como a produção britânica). Esse lado cômico é muito bem conduzido, principalmente, como quebras de situações dramáticas. Há também o rompimento do sentimento de leveza em partes inusitadas, principalmente, em seu episódio final, que é desnorteador e deixa a série tão intrigante.

Por fim e não menos importantes, a fotografia, a ambientalização, a trilha sonora (que tem no Spotify e nesse blog também) e o figurino são muito bem construídos. Assim, mesmo com a previsibilidade do romance e os personagens serem bem caricatos, é possível se cativar e torcer por cada um deles. No final, como uma moral, produz-se a sensação de “vivencie todos os sentimentos possíveis em um único episódio e na sua vida”.serie-netflix-lovesick-resenha-scrotal-recall-dancing

A segunda temporada está prometida para novembro, na Netflix.

Anúncios